TRIPULANTES DESTA MESMA NAVE

quarta-feira, 17 de abril de 2019

A AULA DE ZAVASCKI


O MÉTODO MORO DE MANTER PRESAS PESSOAS SEM CULPA CONFIGURADA, EM BUSCA DE “DELAÇÕES”, É “MEDIEVALESCO” E ENVERGONHA QUALQUER SOCIEDADE CIVILIZADA (TEORI ZAVASCKI). 

*************************


A pergunta é: se vivo estivesse Teori Zavascki, Sérgio Moro teria tido a oportunidade de impedir que Lula da Silva concorresse à Presidência da República, influindo decisivamente no resultado do pleito (que findou por nos legar esse idiota que assumiu o poder) ???

segunda-feira, 15 de abril de 2019

ELEGIA PARA RANÚSIA - (LURILDO SARAIVA - PROF . TITULAR DE CARDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO)


Eu a conheci durante as inúmeras passeatas, que fazíamos contra a Ditadura Civil-Militar de 64. Era uma quase meninota, magrinha, de olhar meigo, olhar faceiro, olhar puro, pernas finas, tez branca, nariz adunco, cabelos alourados e muito lisos. Era extremamente generosa, dócil, apegada à profissão de Enfermagem, que escolhera para ajudar ao próximo. Valente e guerreira. Incursa no Decreto-Lei 477, feito pelos generais para afugentar os jovens da conscientização política e da luta pelas liberdades democráticas, não se furtou a continuar o seu trabalho de ajudar fundamentalmente os enfermos pobres, ontem, como hoje, a sofrerem pela própria doença e pelo descaso com os hospitais universitários, carentes de tudo.
Lembro-me que a vi no enterro do Padre Henrique Pereira Neto, este uma das primeiras vítimas do terror da era Médici, de olhos úmidos, em plena Avenida Caxangá, ao lado da minha irmã, como ela, enfermeira. No ano de 1970, quando eu era interno no Hospital Pedro II, por volta das nove horas das sextas feiras, quase sempre me trazia um enfermo pobre para medicar e, sobretudo, companheiros, que militavam em luta clandestina, mostrando na pele estigmas das torturas ocorridas no DOPS. Eu os via de modo sorrateiro, com nomes falsos, tentando burlar a vigilância dos agentes direitistas, que pululavam nas unidades da UFPE, que, ulteriormente, viria a saber ser um dos centros de tortura política no país.
Em fins de 1970, ela me chama com discrição e diz estar partindo para a luta armada. "Tem certeza, Ranúsia, que é este o caminho? - Sim, Lurildo, não há outro, esta ditadura só será exterminada na bala. Tu não queres ir comigo? - Não, Ranúsia, não tenho coragem, não. - Mas, companheiro, a gente adquire na luta! - Não, amiga, prefiro atuar como médico". Foi este o nosso último encontro. Em 1973, leio no Estadão, em frente ao apartamento, onde recém casado residia na Rua Teodoro Sampaio, em São Paulo: "Terrorista é morta em tiroteio contra as Forças de Segurança em Jacarepaguá". Enchi os olhos de lágrimas, eu e todos sabíamos que aquela notícia era falsa, devia ter sido morta pelas torturas medievais, comandadas por Fleury, o sádico serviçal da ditadura, desumano e cruel.
De fato, as cinco maiores organizações da esquerda armada - VAR-PALMARES (fusão da VRP e COLINA), da qual era uma dos dirigentes a companheira Dulce, e que iria futuramente sofrer a metamorfose direitista atual como Presidente Dilma; a ALN, do Mariguella e Joaquim Câmara; a VPR, do Comandante Lamarca; o PCBR, do Mário Alves; o MR8, de Palmeiras e Gabeira; e a APML, do Mata Machado - se juntaram no justiçamento de famoso torturador paulista, íntimo do Delegado Fleury, que havia morto vários companheiros da guerrilha urbana, em violentas torturas no DOI-CODI de São Paulo. Ranúsia representou o PCBR em plena Avenida Copacabana. Por este ato político, Fleury jurou diante dos seus asseclas, que nenhum dos componentes do grupo guerrilheiro, se salvaria da tortura e da morte.
Ranúsia foi apanhada em 27 de outubro de 1973. Viríamos a saber que durante dois dias, ininterruptamente, foi torturada sem piedade pelos comparsas de Fleury, sob seu comando pessoal. Como era comum nesses atos criminosos, deve ter sofrido no pau de arara, deve ter recebido choques elétricos na sua intimidade de mulher, deve ter tido unhas e dentes extirpados a cru, deve ter padecido horrores, com gritos lancinantes.
Ainda assim, quase exangue, foi obrigada pelo monstro humano, a reconhecer, naquele bairro distante da cidade do Rio, companheiros com quem iria encontrar-se. É possível, com a coragem da mulher sertaneja, que tenha se recusado a cumprir o papel de delatora, mas há um limite para a atrocidade e a dor. E, ali mesmo, teve o que restava do seu corpo, metralhado por balas, sendo jogado em cova rasa e tempos depois, em vala comum. Antes disso, meses antes, teve a prudência de entregar a sua filhinha, gerada e nascida na repressão, a uma senhora doméstica da casa dos pais na infância em Garanhuns, para dela cuidar, criança não de todo aceita, face à clandestinidade em que vivia a mãe, não compreendida por muitos.
Posso avaliar já distante no tempo, o que deve ter pensado aquela menina, sequiosa de Justiça, amante do Socialismo, durante as sessões de tortura:" Onde estaria Zane, sua irmã, membro do mesmo PCBR? Como estaria sua filhinha, de quem foi forçada a se separar, pelo amor à Pátria? Como estaria seu pai, o senhor Moisés Rodrigues, de quem cuidei pessoalmente como médico, observando diariamente o seu semblante triste, com o afastamento de quatro filhos, todos em luta clandestina contra aquela mistificação de “Revolução”?
E os algozes que se desfaziam daquele corpo violentado, como nos dizia o nosso Dom Helder - "Templo vivo do Espírito Santo", mal sabiam que estavam a enterrar uma Heroína Pernambucana, que deu a própria vida por Justiça, preenchendo, assim, plenamente, uma das Bem-Aventuranças de Jesus Cristo, para adentrar no seu Reino de Paz. Sequer sabiam aqueles "homens bichos", que tinham em suas mãos um corpo quase imaculado, pois que legara à Pátria os seus anos juvenis, na luta contra uma sangrenta ditadura civil-militar, serviçal do Capitalismo sem Pátria, mantenedora de um regime excludente, que ainda hoje persiste, sob a égide de uma coligação de centro-direita, a enriquecer, de modo exponencial, os que sempre foram ricos, como agora fez, praticamente doando aos Capitalistas o campo petrolífero de Libra, o maior já descoberto na História.
Querida Ranúsia, ainda ecoa em nossos corações a gargalhada do sádico Coronel Perdigão, "que ria, ria muito alto", naquela noite sombria de 28 de outubro de 1973, na Praça Sentinela, em Jacarepaguá, quando terminava a sua heroica vida, atirando na sua cabeça, os dois últimos tiros que a exterminaram. Nós, permanecemos fiéis aos mesmos ideais que nos levaram às ruas deste país nos anos 60, continuamos seus irmãos. Sua vida não será nunca esquecida, você, inesquecível amiga, hoje Heroína Pernambucana, Heroína da sua Garanhuns, está e estará sempre, no Altar da Pátria, nos lares dos empobrecidos do nosso país, nos que padecem nas filas de hospitais sucateados pela ex-companheira Dulce, para facilitar a sua privatização, nos ônibus que são uma ofensa ao deslocamento dos operários, em ruas entupidas de carros, pois o modelo neoliberal de direita assim o quis, para aumentar o lucro gigantesco dos fabricantes de veículos.
Ao contrário do que queríamos, querida Ranúsia, quem organiza e orienta as nossas cidades, não são os representantes do povo, são as empreiteiras, são as construtoras de gigantescos e feios megaprédios, que vão destruir, dentro de poucos anos, a beleza da Recife, que conhecemos em 1962, aquela linda Veneza Brasileira, querida amiga. E você jamais pensou, na grandeza da sua valente luta, que Dulce, aquela mulher valente da VAR-Palmares, que chegou a considerar o Comandante Lamarca um "frouxo", e que participou do planejamento da expropriação do cofre de Ademar de Barros da casa da sua amante no Rio, para o financiamento da guerrilha urbana, agora, neotransformada pela coligação de centro direita, que nos comanda, traindo o seu passado, vítima do Exército na tortura cruel que sofreu, jogaria esse mesmo Exército contra o seu povo, que protestava nas ruas do Rio contra a doação do riquíssimo campo petrolífero de Libra aos mesmos capitalistas que mataram Getúlio e a torturaram, em crime de Lesa Pátria, a merecer o devido " impeachment" do cargo mais honroso da Nação.
Mas, Ranúsia, diga ao grande Prestes, diga ao João Amazonas, diga ao Padre Henrique, diga ao nosso Dom, diga ao Frei Tito de Alencar, que apesar de estarmos entrando na etapa final da vida, agora surgem jovens tão valentes como fomos, a invadirem as nossas ruas, clamando por Justiça e Liberdade, por um modelo econômico autenticamente nosso, não subordinado ao Capital Internacional, como atualmente reina e nos sufoca. Amiga, a semente vingou, vingou Companheira Ranúsia!

Que você ouça, Ranúsia, no Altar da Pátria, o que nos disse o nosso Dom Helder: "Felizes os que sonham, alimentarão a Esperança de muitos, e correrão o doce risco de um dia ver os sonhos realizados".







sábado, 13 de abril de 2019

LULA É CULPADO (ROBERTO REQUIÃO)


Lula é culpado (Roberto Requião*)

Definitivamente, Lula é culpado. Desde sempre. Nasceu culpado, viveu sob o estigma da culpa e haverá de morrer no pecado. Lula é culpado há gerações. O seu sangue está contaminado por cepas indígenas e, provavelmente, africanas.

Lula é malnascido. E mal-agradecido: em vez de se conformar à sorte de ter sobrevivido a uma taxa de mortalidade infantil que transformava em anjinhos, pela graça de Deus, mais de 90 das 100 crianças nascidas no sertão pernambucano, quis alçar-se além de sua condição de sobrevivente, de sobra do destino, de raspa do tacho. Quis - oh falta de senso da ordem natural das coisas! - ser presidente da República.

Lula não é inocente. Pode até ter sido ingênuo, por acreditar que fosse aceito ou tolerado pela Casa Grande e seus sabujos. Pode ter sido confiado, crédulo. Mas não inocente.

Dizer, gritar, espernear que Lula é inocente, é dar legitimidade às acusações e condenações de Moro, Dallangnol, daqueles patéticos juízes do TRF-4, talvez a mais completa corte de pascácios da história do judiciário brasileiro. Dizer que Lula é inocente é certificar todas as manchetes, todos os textos, todos os artigos, toda as opiniões que a mídia comercial, e monopolista, verte em caudais todo os dias. Dizer que Lula é inocente é reconhecer e validar o que o Jornal Nacional, na voz marcante de William Bonner ou com a sisudez para a ocasião de Renata Vasconcelos, comunica aos brasileiros todas as noites há mais de mil noites.

Dizer que Lula é inocente, corresponde até mesmo a aceitar a bizarrice do power point de Dallangnol, a militância aecista de Igor Romário, a incompetência letal de Erika Mareka e o cavanhaque indecoroso do Santos Lima.
Dizer que Lula é inocente é como que ratificar as acusações dos nazistas a Dimitrov, pelo incêndio do Reichstag; autenticar a culpa de Dreyfus por traição à França; é escolher Barrabás; é filiar-se ao Santo Ofício na condenação de Giordano Bruno; é adotar como sua a sentença contra Tiradentes; é atuar como assistente de acusação da Savonarola; é botar fogo nas piras que consumiram todos os cristãos novos e os muçulmanos recalcitrantes, as bruxas, os hereges e a longa procissão dos desajustados às normas da Santa Madre.

Lula é inocente do quê? De um apartamento que nem Moro reconheceu que fosse dele? De um sítio, cuja propriedade escriturada, de papel passado e testemunhada foi sonegada a troco - mais uma vez - da convicção de um juiz, da delação de um torturado?

Não, não há inocência em Lula. Ele não é inocente de roubo, porque não roubou. Lula é culpado!

Como a Joana D’Arc de Bernanos e de Bressan, Lula é culpado de sua inocência. Como a Santa, foi relapso, desavisado, confiante, demasiadamente confiante. Afinal, ele imaginou que poderia fazer tudo o que fez impunemente? Que poderia arrostar os poderosos e seus interesses transnacionais, desafiar um a um os proprietários da política, os donos do dinheiro, os donos da opinião pública e à sempre desfrutável classe média? Em que país pensou que vivesse? É desta ordem a culpa de Lula.

Lula é culpado porque resgatou dos porões do gigantesco navio negreiro que é este país, dezenas de milhões de brasileiros. É culpado porque introduziu essa gente no maravilhoso mundo das três refeições diárias, mesa há 500 anos reservada a apenas uma minoria. É culpado por essa fantástica e ciclópica (que mais superlativos poderia usar?) obra de combate à fome, à desnutrição, à mortalidade materno-infantil, à degradação física e moral da nossa gente. É culpado porque botou anel de doutor no dedo dos filhos de operários e trabalhadores rurais. É culpado porque inventou um programa para dar aos brasileiros uma moradia digna, sadia e financeiramente acessível. É culpado porque, operário e pau-de-arara, entendeu mais que os ilustrados antecessores, especialmente mais que o sociólogo boquirroto, ciumento, fútil e ocioso, que um país sem ciência e tecnologia estaciona no tempo e no espaço e torna-se mero e servil caudatário das nações imperiais. Daí a magnífica rede federal de educação profissional, científica e tecnológica, a rede de escolas técnicas, as universidades plantadas em todo o país, para horror dessa nossa elite tacanha, obtusa, inculta, grosseira e preconceituosa que ainda hoje sonha com a senzala.

Lula é culpado pela mais fabulosa descoberta em território pátrio dos últimos séculos, o petróleo na camada do pré-sal. Os muxoxos dos tucanos, à frente, na vanguarda do atraso, como sempre, o invejoso FH; e a reação blasé dos economistas e dos jornalistas de mercado, da grande mídia comercial e do mercado financeiro, revelaram não apenas despeito, mas, sobretudo, decepção com as possibilidades abertas à consolidação da soberania nacional e, acima de tudo, da cimentação de um poder popular, nacional e democrático.

Lula é culpado por ter aberto a mais formidável possibilidade para remir o Brasil do atraso, da pobreza e da dependência. Lula é culpado por insurgir, desafiar, confrontar aquela que, talvez, seja a pior, mais daninha, a mais colonial, a mais estúpida, a mais iletrada, ignorante e xucra das classes dominantes mundiais, a elite brasileira.

Lula é culpado por tornar o Brasil respeitado, ouvido e acatado internacionalmente. Jamais, em tempo algum, o nosso país teve tal protagonismo e liderança. Lula enterrou o complexo de vira-lata, de que os sapatos do chanceler dos tucanos são o mais vergonhoso exemplo. E isso foi imperdoável!

Lula é culpado, mil vezes culpado, por ter libertado a Polícia Federal e o Ministério Público das injunções políticas, dando-lhes, é verdade, uma autonomia excessiva.

Lula é culpado (por favor, nunca relevem essa culpa que, para a classe média metida a sebo, esse é um pecado mortal) por transformar os aeroportos em rodoviárias.

São por essas culpas que Lula foi condenado e é mantido preso. São as culpas de Mandela, de Spartacus, de Frei Caneca, de Zumbi dos Palmares, do Conselheiro. O tal do triplex, cuja propriedade permanece em um incômodo e escandaloso limbo? Os pedalinhos dos netos em um sítio em Atibaia?

Ora, vão à merda!


quarta-feira, 10 de abril de 2019

UM RARO MOMENTO DE SINCERIDADE DO MINISTRO



Em reunião acontecida no sexto andar do ministério da Economia, no dia 12 de março de 2019, presentes seis presidentes de Tribunais de Contas estaduais (Thiers Montebello – Presidente TCM/RJ; Antônio Roque Citadini – Presidente TCE/SP ; Adircélio de Moraes Ferreira Júnior- Presidente TCE/SC ; Edilberto Carlos Pontes Lima- Presidente TCE/CE;  Celmar Rech – Presidente TCE/GO, Cláudio Couto Terrão, que deixava a presidência do TCE de Minas Gerais , além do  conselheiro Antônio Renato Alves Rainha do TC/DF), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou peremptoriamente:

“Estamos convencidos de que Lula não roubou um tostão. E seu patrimônio prova isso. Ele não teve foi quem o avisasse do que acontecia em torno de seu governo. Acabou vítima do jeito de fazer política no Brasil. Serve como exemplo”.  


sábado, 6 de abril de 2019

A "AULA" DO MINISTRO - José Nilton Mariano Saraiva


“... não existe uma possibilidade, por exemplo, de uma mulher, uma C O N G E seja morta pelo seu C O N G E baseado na violenta emoção e seja aplicável a esse dispositivo, porque não haveria uma situação de legítima defesa. Ao contrário, o que poderia eventualmente acontecer é uma mulher ser atacada pelo marido, e a mulher, reagindo eventualmente cometer algum excesso e não V I M a ser condenada como uma homicida por conta de ter agido S O B R E  violenta emoção...” 

(trecho do depoimento do Excelentíssimo Senhor Ministro da Justiça SÉRGIO FERNANDO MORO à Comissão de Constituição e Justiça do Senado).

QUE VERGONHA,  MINISTRO.
  


sexta-feira, 5 de abril de 2019

"PODRIDÃO" INSUPORTÁVEL - José Nilton Mariano Saraiva

Incompreensivelmente blindada durante anos pelos prolixos, frouxos e covardes integrantes do Supremo Tribunal Federal (que, lembremo-nos, aceitaram passivamente todas as “cabeludas” arbitrariedades perpetradas pelo seu então comandante, o “medíocre” juiz de primeira instância, Sérgio Moro, o agora famoso “marreco de Maringá”), a tal Operação Lava Jato progressiva e paulatinamente vai sendo desnudada e desmoralizada pelos fatos que emergem do lodaçal que lhe serviu de base. E a “podridão” é insuportável. 

Num primeiro momento (2016), numa prova inconteste de desonestidade e falta de ética, o juiz curitibano e seus procuradores, em nome das “autoridades brasileiras” (os quais não eram credenciados para tal ),  não se acanharam em meter a mão com desmedida voragem no dinheiro da própria Odebrecht (ato de corrupção), ao aceitarem uma superlativa propina de R$ 6,500.000.000,00 (SEIS BILHÕES E QUINHENTOS MILHÕES DE REAIS), a serem geridos por aquela “casta de iluminados”. 

Mais adiante (2018), incontestados, arrogantes e prepotentes os “lavajateiros”, desde sempre comandados pelo dito juiz de primeira instância, meteram a mão também no dinheiro da Petrobras (outro ato de corrupção), através do recebimento de uma outra propina bilionária de R$ 2.500.000.000,00 (DOIS BILHÕES E QUINHENTOS MILHÕES DE REAIS) que seriam igualmente geridos com exclusividade pela “República de Curitiba”, ao seu bel-prazer, sem ter que prestar contas a ninguém. 

No total, por enquanto (será que vem mais por aí ???), a assombrosa quantia de R$ 9.000.000.000,00 (NOVE BILHÕES DE REAIS) foi repassada à turma então comandada pelo juiz Sérgio Moro, que à época se autoproclamavam “autoridades brasileiras”, para receber tal “agrado”, conforme expresso na documentação agora descoberta e veiculada pela mídia (isso depois das indesmentíveis e incontestáveis  denúncias dos tais “blogs-sujos”, à frente o corajoso jornalista Luiz Nassif). 

Hoje, após descoberta a grotesca maracutaia, o que se comenta é que toda essa “montanha de dinheiro” seria colocada numa espécie de “fundo-financeiro”, cujo objetivo maior seria a formação de “quadros” (através de palestras, congressos, lavagem cerebral, agrados, viagens, etc) visando a disputa de eleições num futuro que está bem aí. 

E como o comandante da Lava Jato, Sérgio Moro, preventiva, maquiavélica e espertamente já “se fez ministro” em razão dos relevantes serviços prestados à “camarilha” de mafiosos que assumiram o poder (prendendo arbitrariamente Lula da Silva) existiria a possibilidade, sim, do próprio lançar-se candidato à sucessão do incompetente e tosco chefe (Bolsonaro), que, graças exclusivamente a ele, chegou lá (ou, então, ascender ao Supremo Tribunal Federal). 

Portanto, não esqueçamos de uma verdade incontestável: toda essa patifaria e esculhambação jurídica que estamos a vivenciar deve ser creditada aos prolixos, frouxos e covardes membros do tal Supremo Tribunal Federal (tivessem “cortado as asas” do Sérgio Moro, lá no começo, não teríamos chegado a isso). 

Aliás, as “excelências togadas” acabam de adiar, “sine dia” (sequência do golpe), em conluio com a também mafiosa OAB, o julgamento (marcado para o dia 10.04.19), que trataria se a “presunção de inocência”, preconizada na Constituição Federal, ainda tem ou não validade (ou seja, se a condenação em segunda instância deve aguardar o desenlace do processo legal) ou, então, se prevalecerá a vontade do “marreco de Maringá”, segundo a qual a condenação em segunda instância é o “fim de linha”, não precisa concluir o processo). 

Agora, aqui pra nós, alguém tem alguma dúvida que essa associação mafiosa entre os membros do tal Supremo Tribunal Federal e os desonestos membros do OAB objetiva impedir que Lula da Silva seja libertado e provoque uma reviravolta no quadro atual ???







terça-feira, 2 de abril de 2019

De 04 a 13 de abril o Cariri é palco da Dança Nacional na X SEMANA DANÇA CARIRI - Confiram a Programação completa

De 04 a 13 de abril a Associação Dança Cariri em Parceria com o SESC e CCBNB
estará realizando a décima edição 
do festival nacional
X SEMANA DANÇA CARIRI
que acontece nos municípios de Juazeiro do Norte e Crato
este ano com a temática DANÇAR É DESVELAR

É tempo de desvelar o tempo: Dançar. Apreciar a dança, enxergar a potência do corpo, de quem somos e do que podemos. Dançar para sensibilizar, Dançar para existir, Dançar para não se deixar ser manipulado, Dançar para revolucionar tudo aquilo que nos quer tolos e inertes.

Palestras, Oficinas, Workshops, Espetáculos, Mostra de vídeos e debates. 
Uma programação completamente gratuita com artistas, professores e companhias de diversos estados do país, tais como: Cia Giradança (RN), Ana Paula Bouzas (SP), Denise Stutz (MG), Denise Espírito Santo(RJ), Paracuru Cia de Dança(CE), Coletivo Trippé (BA) Andrea Bardawil (CE), Cia Balé Baião (CE), Camila Fersi(RJ), Alexandre Américo(RN), Flávio Sampaio(CE), Mariana Pimentel (DF), Helena Matriciano(RJ), dentre outros.

Cinzas ao solo / espetáculo que abre o festival nacional



X Semana Dança Cariri – Dança é Desvelar
Programação Completa
04 de abril (quinta-feira)
9h Oficina Encontros para dançar/A construção poética do visível
com Andrea Bardawil Local: Associação Dança Cariri
16h Palestra Arte para desvelar, tempos para ver o invisível
Prof Dra Denise Espirito Santo -UERJ
Local: Auditório CCBNB
19h30 Espetáculo Cinzas ao solo - Alexandre Américo 
Local: Teatro CCBNB - Juazeiro do Norte

05 de abril (sexta-feira)
9h Oficina de Dança Contemporânea Laboratório: “Práticas de ajuntamento” com Mariana Pimentel 
Local Associação Dança Cariri
15h-18h Videodança: a Comunicação expandida do ver-ouvir-mover
com Joubert Arrais (UFCA ) e Liliane Luz (UNINTA)
Local: Auditório CCBNB
Mostra Dança Cariri 
Espetáculo Toque-me – Coletivo Dama Vermelha
Espetáculo We dont have money but we have fun - Mariana Pimentel 
Local Teatro CCBNB
06 de abril (sábado)
9h as 13h - Workshop de Balé para Professores com Helena Matriciano Local Associação Dança Cariri
15h Espetáculo Meu Querido Catavento – Coletivo Trippé (espetáculo de dança para crianças) Local Teatro CCBNB
16h-18h Mostra Vídeodança e com Joubert Arrais (UFCA – Juazeiro do Norte) e Liliane Luz (UNINTA - Sobral)
Local: Associação Dança Cariri
19h30 
Espetáculo Milagreiro – Cia de Dança Rastro
Espetáculo Galaxy Heat – K Pop 
Espetáculo Brecha – Cia Alysson Amancio 
Local: Teatro Patativa do Assaré – SESC Juazeiro do Norte

07 de abril (domingo)
9h as 13h - Workshop de Balé para Professores com Helena Matriciano 
Local: Associação Dança Cariri
19h Janelas para navegar mundos – Coletivo Trippé 
Local: Associação Dança Cariri
08 de abril (segunda-feira)
8h as 11h30
Forúm: Encontro para desvelar: A dança no interior do Ceará
Local: Associação Dança Cariri
18h as 19h30 Oficina Giras de Danças Cênicas Negras e Indigenas com Gerson Moreno
20h Espetáculo Cabaça Cafuza – Cia Balé Baião 
Local: Associação Dança Cariri

09 de abril (terça-feira)
Aula de Balé Clássico com Flávio Sampaio 
Local: Associação Dança Cariri
19h30 Mostra Dança Cariri 
Akoberé – Tata Tavares
A potência do corpo feminino - Carla Cavalcante
Espetáculo Bar baro - Paracuru Cia de Dança 
Local: Teatro do SESC Juazeiro do Norte

10 de abril (quarta-feira)
9h Oficina de Dança Contemporânea 
com Camila Fersi
Local Associação Dança Cariri
19h30 Mostra Dança Cariri 
Marias – Escola Dança Cariri
No Mo – Ballare Escola de Artes
Espetáculo Eu organizo o movimento – Ana Paula Bouzas 
Local: Teatro do SESC Juazeiro do Norte
11 de abril (quinta-feira)
9h Oficina de Acrobacia Solo
com Guilherme Matos
Local Associação Dança Cariri
19h30 Mostra Dança Cariri 
Sobre o Belo - Suzana Carneiro
(Des) encontros – Rosilene Diniz e Erick Bruno
Espetáculo Só – Denise Stutz 
Local: Teatro do SESC Juazeiro do Norte

12 de abril (sexta-feira)
10h Espetáculo Cajuína Cia Alysson Amancio – Teatro do SESC Crato´
19h30 Ajé Coletivo IAMÍS KARIRIS
SESC Crato
19h30 Sobre Coisas Cruas Camila Fersi e Guilherme Mattos (RJ)
Local: Teatro do SESC Crato
13 de abril (sábado)
9h Oficina de Dança Contemporânea 
com Kelyenne Maia
Local SESC Crato
19h Tempestade com Silvia Moura
1930 Proibido Elefantes – Cia Giradança (RN)
Local: Teatro do SESC Crato

Bar baro - Paracuru Cia de Dança

Sobre o Belo de Suzana Carneiro


O "PREDADOR" - José Nilton Mariano Saraiva


Para aqueles não muito íntimos com o vernáculo pátrio, a palavra “predador” comporta multifacetadas definições, dentre as quais poderíamos destacar: “o que destrói o ambiente em que atua, ou os elementos dele”.

Nos dias correntes, tal definição se adapta como uma luva à “excrescência” que, infelizmente para o nosso país, boa parte da população sufragou para a Presidência da República: Jair Bolsonaro.

Não propriamente porque seja um “tosco” (grosseiro, rústico, destituído de cultura e refinamento espiritual) mas, sim, por se nos apresentar como autêntica tragédia humana.

Participante do “baixo clero” da Câmara Federal (não confundir com “CÂMERA” Federal, conforme define o poliglota Sérgio Moro) por quase 30 anos, Jair Bolsonaro é aquela figurinha medíocre que nunca se preocupou em favorecer o povo, mas, sim, à bandidagem miliciana, responsável por sua ascensão, e dos filhos, na política (onde todo o clã está “empregado”).

Pois bem, agora mesmo, na viagem oficial que empreendeu aos Estados Unidos, Jair Bolsonaro envergonhou toda a nação brasileira ao se pôr de cócoras ante o exótico presidente americano Donald Trump, num festival de puxa-saquismo sem precedentes (não se cansou de afirmar ser admirador não só do próprio, mas, sim, da nação americana, e por aí vai).

Aproveitou para, literalmente, “doar” a Base de Alcântara, no Maranhão, onde os americanos, a partir de agora, poderão lançar seus mísseis e foguetes, ao bel prazer e com custo bem mais baixo, com o adendo que o local se tornará, a partir de então, área exclusiva e reservada para os gringos (brasileiro que incursionar por aquelas bandas deverá passar longe ou será expulso).

Não satisfeito, assinou tratado onde permite que os yankees que desejarem vir ao Brasil (sob qualquer pretexto) não precisarão mais apresentar o tradicional “visto de entrada” (sem qualquer reciprocidade), o que não é comum entre as chancelarias dos países (pra piorar, estendeu tal privilégio aos originários da Austrália, Canadá e Japão, transformando nosso país numa autêntica casa de mãe-joana).

Mas o pior e mais horripilante viria depois, quando, em reunião com empresários americanos, assumiu de vez sua porção de potencial “PREDADOR”, ao assegurar que não tinha sido eleito pra “construir”, mas, sim, pra “desconstruir” o Brasil.

E o retrato emblemático dessa sanha predatória podemos visualizar agora mesmo, no Ministério da Educação, onde um alienígena, que mal sabe falar português e já provou ser pouco dado à gestão, está destruindo de forma avassaladora uma área tão importante e fundamental.

Afinal, qual o país do mundo que se desenvolveu sem a participação real e efetiva da educação, da tecnologia e, em suma, do conhecimento ??? Até parece que Bolsonaro, face à sua ignorância e limites, almeja nos legar um país à sua imagem e semelhança.

Fica, então, a pergunta: o que fazer, visando obstar a chegada definitiva do caos ???