TRIPULANTES DESTA MESMA NAVE

terça-feira, 7 de abril de 2020

"BOZO" - NOSSA "RAINHA DA INGLATERRA" - José Nilton Mariano Saraiva


Como é do conhecimento de metade do mundo e da outra banda, nos regimes monárquicos reis ou rainhas e respectivas famílias não fazem absolutamente nada (sequer enfiarem um prego numa barra de sabão), a não ser despudoradamente sugarem e se locupletaram do dinheiro público. E o exemplo emblemático, porque hoje uma potência mundial (sem interferência da monarquia), é a Inglaterra, onde, aliás, a prole real é por demais numerosa.

Pois bem, cansado da “ociosidade-muito-bem-remunerada”, um dos príncipes (candidato a rei daqui a 200 anos), num átimo de honestidade e desprendimento, resolveu tomar uma atitude inédita: renunciou à mordomia e anunciou sua intenção de se mandar para um outro país (provavelmente o Canadá), onde procurará exercer alguma atividade que lhe propicie sobreviver à custa do próprio suor (esse pelo menos foi corajoso, ao contrário do irmão, pais e avós, todos parasitas).

A reflexão é só pra lembrar que, por aqui, acaba de ser implantado o regime monárquico à brasileira: é que, como o Bozo e filhos, além de não entenderem de porra nenhuma, vivem a comprar briga com o resto do mundo (além de participarem ativamente de uma tal “rachadinha”), os milicos que lhe dão sustentação já comunicaram a algumas chancelarias do mundo que, a partir de agora, o general Braga Neto é o novo “ACTING PRESIDENT” (presidente em exercício) do Brasil.

E a materialização de tal ato não demorou nem um pouco: ainda agora, quando o Bozo pretendeu (e anunciou em off) demitir “ex-officio” um dos ministros que discordam frontalmente das suas orientações no tocante ao combate ao coronavírus (Luís Henrique Mandetta, da Saúde) a área militar do governo (à frente o novo “acting president”) o desmoralizou publicamente ao não aceitar sua decisão. E o Bozo, reconhecendo sua insignificância e despreparo, calado estava calado ficou (vai ter que aguentar, sem nem miar, o Ministro da Saúde pintar e bordar, mandar e desmandar, fazer e desfazer, sem lhe dá a mínima satisfação).  Haja humilhação.  

O problema é que os milicos, em assim procedendo, abriram o flanco para um questionamento por demais pertinente: como vivemos num presidencialismo e o poder executivo está a cargo do presidente e do seu vice, a figura do “acting president” não existe juridicamente.

Além do que, segundo especialistas, tal figura... “subverte o pouco que existia das instituições, fecha o autoritarismo neo-militar no Brasil e consolida o sucesso do método das ‘aproximações sucessivas’ que parece ser tudo o que os militares aprendem na academia”.

Saudações, pois, à nossa “rainha da Inglaterra”.





domingo, 5 de abril de 2020

"CAVALO DE PAU" - José Nilton Mariano Saraiva


Na ascensão à Presidência da República do “traste” que aí está, dentre outras pelo menos duas importantes instituições federais foram protagonistas decisivas e determinantes para o descalabro atual: o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional.
O Supremo Tribunal Federal (onde tudo realmente começou), ao covardemente permitir (com receio da reação popular) que um deslumbrado e incompetente juiz de primeira instância (Sérgio Moro) passasse por cima de todo vasto ordenamento jurídico pátrio (já que atropelando diuturnamente o contido na Constituição Federal), objetivando e conseguindo, a posteriori, influir na eleição presidencial, ao condenar, sem qualquer prova material, o então favorito às eleições presidenciais, Lula da Silva, alijando-o do páreo e abrindo caminho para a “excrescência” que temos hoje no comando do país.
Pois bem, covardes e prolixos, mas certamente conscientes do que estava sendo feito, Suas Excelências contribuíram, sim, e decisivamente, para a perpetração do golpe (lembram-se do “com o Supremo, com tudo” de Romero Jucá ???), tanto que, após, quando o juizeco “criou asas” e peitou acintosamente o próprio Supremo Tribunal Federal, um dos seus integrantes, Gilmar Mendes (que particularmente contribuiu muito ao barrar a investidura de Lula da Silva à Casa Civil da presidente Dilma Rousseff), deitou falação e reconheceu que aquela corte houvera, sim, sido cúmplice de Sérgio Moro e sua quadrilha, ao aceitar passivamente todas as ilegalidades por ele perpetradas ao longo da tal operação Lava Jato. 
Para os que seletivamente não lembram, ipsis litteris: 
"É um grande vexame e participamos disso. Somos cúmplices dessa gente. Homologamos delação. É altamente constrangedor e temos que dizer: nós falhamos; a República de Curitiba nada tem de republicana, era uma ditadura completa. Assumiram papel de imperadores absolutos. Gente com uma mente obscura. Gente ordinária. Se achavam soberamos. Gente sem nenhuma maturidade, Corrupta na expressão do termo. Violaram o Código de Processo Penal". 
De outra parte, no picadeiro armado do outro lado da Praça dos Três Poderes, em Brasília, os nauseabundos pilantras com assento no Congresso Nacional (Câmara e Senado) foram partícipes ativos do espetáculo circense de quinta categoria que findou por catapultar do poder uma presidenta da República democraticamente eleita (Dilma Rousseff), por supostos crimes de realidade, nunca comprovados.
Fato é que, com a exclusão de Lula da Silva, um medíocre e aventureiro deputado do baixo clero (de produtividade zero em 30 anos de mandato), aposentado do exército por insubordinação e indisciplina, defensor incondicional da tortura e da milícia, além de apoiado por fundamentalistas religiosos (evangélicos) acabou surpreendendo e “chegando lá”.
O resultado é o que estamos a assistir: um país transformado numa autêntica “casa se mãe Joana”, onde só quem não manda é quem deveria mandar, o próprio presidente.
Sem governo, sem comando, sem controle, sem uma liderança firme que o conduza a um porto seguro, o Brasil de hoje em muito se assemelha a um imenso transatlântico à deriva, no meio de tempestades colossais, que tendem a arremessá-lo às rochas.
Para livrar-se da catástrofe iminente, seria fundamental que as duas instituições que colaboraram decisivamente para o estágio atual (Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional), engatassem um “cavalo-de-pau” em sua trajetória de covardia e omissão, e se redimissem ante a nação através do impeachment (Congresso) ou do impedimento puro e simples (Supremo).
Afinal, se por incompetência ou questão de caráter o doido varrido que está Presidente da República dia a dia comete as maiores barbaridades, se já provou por A + B que está pouco ligando para o constitucionalmente estabelecido, se insiste, persiste e não desiste em delegar aos deslumbrados filhos milicianos poderes inadmissíveis, se não tem a mínima aptidão para o exercício da função, se desrespeita sistematicamente os demais poderes constituídos, por qual razão não afastá-lo de pronto, antes que seja tarde demais ???
Com o Supremo e o Congresso a palavra final.








quarta-feira, 1 de abril de 2020

DE "CARONA" NO "CORONA" - José Nilton Mariano Saraiva


O poder, avassalador e destrutivo do temível “coronavírus” é algo inquestionável e digno do mais horripilante filme de terror; e a velocidade com que se propaga, simplesmente assustadora; tanto, que mais de 180 países já confirmaram sua letal presença e consequências advindas (a propósito, numa obra premonitória do cinema, anos atrás foi lançado o filme americano Pandemia”, estrelado pelo excelente Dustin Hofman, retrato emblemático do que estamos vivenciando – vale a pena conferir).
No momento, a suspeita lançada por um respeitável cientista sanitário é que, por experimentar mutações ininterruptas, desconhecidas e estranhas, ainda não decifradas (desde que surgiu no Brasil e até essa data, já foram milhares) existe a possibilidade, sim, de que o “cononavírus” tenha sido produzido artificialmente (isso mesmo, em laboratório), pelo próprio homem, em razão da guerra entre nações, em busca do privilégio de dominar o mundo (algo difícil de acreditar, mas não impossível).
Se verdadeira ou não tal hipótese (que deverá constar em algum documento “ultra-secreto”, que a humanidade só tomará conhecimento daqui a 50 anos, quando nós e os seus idealizadores já teremos “embarcado”), o fato é que a “coisa” saiu totalmente de controle, a ponto de o possível país produtor e difusor (teoricamente os Estados Unidos, que o teria lançado na China, a fim de descredenciá-la junto ao mundo) ter sido acidentalmente “beneficiado” por seus efeitos, já que tende a se tornar o “líder” no número de mortos.
Por ser algo “novo” e em mutação contínua, a verdade é que a comunidade científica mundial tem tido enormes dificuldades em encontrar um antídoto capaz de, pelo menos, barrar sua geométrica expansão; assim, diante do “apetite” do vírus, aventou-se, recentemente, a ideia de que a medicação usada no tratamento da malária poderia ser usada pra tal fim e a torcida é grande para que dê certo (embora haja fundados receios dos efeitos colaterais e, consequentemente, da sua aplicabilidade).
Fato é que, nos quatro cantos do mundo governos responsáveis e preocupados com o seu povo tomam medidas de toda espécie visando encontrar uma solução para o gravíssimo problema, a começar pela convocação de cientistas não só sanitaristas, mas das mais diversas áreas e países, para que, unidos e trabalhando diuturnamente, tentem encontrar uma solução, uma escapatória qualquer; ao mesmo tempo, o chamamento incessante à sociedade para que se mantenha calma e coesa na obediência das determinações das autoridades competentes, é uma prioridade (o isolamento social é a mais efetiva).
No Brasil, cujas rédeas foram equivocadamente entregues a um quarteto de milicianos (os Bolsonaros - 00, 01, 02 e 03), a situação é calamitosa e por uma razão simplória: como não entendem nada de nada, irresponsavelmente entregaram a um economistazinho de quinta categoria, de conceitos do tempo do bumba, o comando do país.
Despreparado, num momento tão crítico, quando a situação se complica dia-a-dia, referida figura, através de chantagem explícita aos membros do congresso nacional, literalmente pega “carona” no “corona” e trata de deitar falação sobre a necessidade de serem aprovadas uma série de reformas por ele propostas, que teriam o poder de resolver tudo, mas cujo objetivo maior, na realidade, é acabar com os pobres deste país. 
Será que após essa o povo aprenderá a lição ???

terça-feira, 10 de março de 2020

"NO MATO SEM CACHORRO" - José Nilton Mariano Saraiva



Com um Poder Legislativo (Congresso Nacional) repleto de pilantras/picaretas (que, tirante as exceções de praxe, só pensam em legislar em causa própria) e um Poder Judiciário composto por prolixos e medrosos integrantes (conforme já demonstrado em diversas oportunidades, quando se omitiram irresponsavelmente em questões cruciais da república), ambos aparentemente sem nenhum compromisso com o Estado Democrático de Direito, um despreparado e radical ex-capitão do exército (Jair Bolsonaro), há tempos comprovadamente aliado a grupos de perigosos milicianos, bem como assessorado e cercado de “generais de pijama” totalmente ultrapassados e anacrônicos (mas sedentos de poder), assumiu a chefia do Poder Executivo nacional.


E o resultado (a incrível volta dos “milicos” ao poder e através do voto direto) não poderia ser mais catastrófico para o Brasil: sem noção de absolutamente nada que o cerca, sem semancol para enxergar/avaliar a dimensão do cargo/função que ocupa, sem condição ética e moral de administrar sequer uma bodega de periferia, a “diversão” do traste que está aí é destruir tudo que foi feito pelos governos que o antecederam (principalmente na área social) assim como “comprar briga”, mesmo sem motivo aparente, com meio mundo de gente (daqui a pouco, não duvidem, o Brasil corre o risco de entrar em conflito com a Venezuela, por “sugestão” do “brother” de Bolsonaro, Donald Trump). 


Fato é que o Brasil, que nos últimos anos houvera conquistado com hercúleo esforço o papel de “protagonista” entre as nações, em razão de uma política inclusiva e socialmente responsável, não mais que de repente se torna um “pária” socioeconômico, porquanto agora alvo de chacotas e gozações de toda ordem.


Comandado, de fato, por um economista de quinta categoria, que a “academia” sempre desprezou em razão dos conceitos anacrônicos e ultrapassados de teoria econômica, onde se destaca a aversão pelo social, bem como a prioridade absoluta ao tal “mercado” (do qual é um dos integrantes), e a quem o ex-capitão que está presidente delegou poderes para fazer e desfazer, mandar e desmandar. o Brasil marcha inexoravelmente para o fundo do poço, conforme se pode atestar pela avidez com que as reservas internacionais de 350 bilhões de dólares (acumulada/deixada pela dupla Lula/Dilma) é “queimada” no dia-a-dia, na tentativa de conter a acachapante desvalorização da nossa moeda, em relação/comparação ao dólar (em poucos dias já foram jogados fora 45 bilhões de dólares e hoje a cotação dólar/real chegou a 01/R$ 4,75). 



Como reflexo, a desconfiança em nosso país é uma realidade palpável, traduzida na acelerada evasão de divisas, com a taxa de investimentos estrangeiros em forte desaceleração, resultando que o PIB (Produto Interno Bruto) foi o mais baixo dos últimos três anos, com ridículos 1,1% de crescimento (se não tiver sido manipulado).


Instado a pronunciar-se sobre o que fazer a fim de debelar ou ao menos amenizar a crise grave atual (como o fez o presidente Lula da Silva, com sucesso, à sua época), o atual “manda-chuva” do Brasil, o “tchutchuca” Paulo Guedes, mostrou estar “perdido no mato sem cachorro”, ao simplesmente tentar transferir para o Legislativo Federal toda a responsabilidade do momento atual, em razão de não terem aprovado ainda as draconianas “reformas” administrativa e tributária, propostas por seu ministério (aqui, vale lembrar que para aprovar a tal reforma da previdência Paulo Guedes prometeu melhoras substanciais e em pouco tempo, o que não ocorreu até agora – e jamais acontecerá).


Alfim, convém não olvidar (e é bom que guardemos na memória pra sempre) que tudo isso que está aí deve ser creditado ao Supremo Tribunal Federal, por permitir que um deslumbrado e medíocre juiz de primeira instância (Sério Moro) tenha não só destruído o Estado Democrático de Direito (ao impunemente passar por cima da nossa Carta Maior, diuturnamente) assim como por ter interferido de maneira letal na economia do país ao acabar com portentosos conglomerados econômicos que movimentavam a Economia. 


Resultado disso tudo: o povo tá na maior merda e a tendência é de piora, lamentavelmente.



domingo, 8 de março de 2020

AINDA SOBRE "NO ARMÁRIO DO VATICANO"



O PARADOXO DO VATICANO: uma maioria homossexual e homofóbica


“Não é um lobby, e sim uma maioria silenciosa”, diz o sociólogo francês Frédéric Martel. Ele é autor de ‘No Armário do Vaticano’

PARIS - 18 FEV 2019 - 18;31BRT
MAIS INFORMAÇÕES
Dos seminários à cúpula do Vaticano, a homossexualidade é onipresente na Igreja Católica e ajuda a entender as crises que atingiram a instituição nas últimas décadas, da queda da vocação sacerdotal ao encobrimento do abuso de crianças, além de campanhas contra o papa Francisco.

Essa é a opinião do sociólogo e jornalista francês Frédéric Martel que em quatro anos entrevistou 41 cardeais, 52 bispos, núncios apostólicos, embaixadores estrangeiros e mais de 200 sacerdotes e seminaristas em busca do "segredo mais bem guardado" da Igreja. O resultado é No Armário do Vaticano – Poder, Hipocrisia e Homossexualidade, mais de 600 páginas nas quais Martel (Châteaurenard, França, 1967) expõe a vida dupla e moral do catolicismo romano. A obra "que fará o Vaticano tremer", como resume o jornal Le Monde, será publicada em oito idiomas e em 20 países, coincidindo com a cúpula sobre pedofilia convocada pelo Papa. O livro, com lançamento mundial na próxima quinta-feira, ainda não tem data para ser publicado no Brasil.

O autor entrevistou a 41 cardeais, 52 bispos, núncios apostólicos , embaixadores estrangeiros e mais 200 sacerdotes e seminaristas

Os homossexuais, segundo Martel, “representam a grande maioria” no Vaticano. Não estima a quantidade, embora uma de suas fontes lhe garanta que seja “da ordem de 80%”. O autor acrescenta que, entre os 12 cardeais que cercavam João Paulo II na década de oitenta e noventa — em plena devastação pela AIDS e que definiram sua política contra os preservativos —, a maioria era de homossexuais. Para afirmar isso, se baseia nas entrevistas realizadas, algumas com os próprios cardeais.

“A vida privada dos indivíduos lhes diz respeito, e eu quase diria que não nos diz respeito”, diz numa entrevista ao EL PAÍS. “Mas os efeitos deste segredo e desta mentira na ideologia do Vaticano, e suas consequências no mundo, são consideráveis.”

O autor evita falar em “lobby gay”: “Não é um lobby, é uma comunidade. Não é uma minoria que atue, e sim uma maioria silenciosa. Um lobby seria gente unida por uma causa. Aqui cada bispo ou cardeal se esconde dos outros e ataca a homossexualidade dos outros para esconder seu segredo”.

As conclusões do livro e algumas cenas podem parecer ousadas e até mesmo devassas em alguns momentos. “Meu tema não são as festas chemsex”, esclarece Martel em alusão às orgias com drogas que apareceram meses atrás na imprensa italiana. “Meu tema não são os abusos. Meu tema é a vida banal e trágica dos sacerdotes condenados a uma castidade antinatural. E essa gente está presa na armadilha de um armário onde eles mesmos se fecharam, do qual não sabem sair, enquanto no lado de fora todo mundo se diverte.”

A originalidade de sua investigação é que estabelece a homossexualidade — uma homossexualidade calada e misturada a homofobia — como núcleo do sistema eclesiástico. “Quanto mais homofóbico for um bispo, mais possibilidades há de seja homossexual. É o código”, diz na entrevista.

É a chave que permite entender muitos de seus problemas. A reduzida capacidade de atrair a futuros sacerdotes, por exemplo. “Antes, quando você era um menino de 17 anos em um povoado italiano ou espanhol e descobria que não se sentia atraído pelas mulheres, a Igreja era um refúgio. Deixava de ser um pária do qual as pessoas zombavam no pátio da escola para ser considerado Deus”, argumenta. Mas os tempos mudaram. “Inclusive no vilarejo italiano há outras opções além de virar sacerdote.”

Martel insiste no aparente paradoxo de um discurso contra a homossexualidade num Vaticano majoritariamente homossexual. Aborda a trajetória de vários líderes da linha mais rigorosa, como o colombiano Alfonso López Trujillo, já falecido, com relação ao uso do preservativo, e do espanhol Antonio Rouco Varela contra o casamento gay.

O autor se desvincula das denúncias do arcebispo ultraconservador Carlo Maria Viganò, adversário do papa Francisco, e nega que haja um vínculo entre a homossexualidade e os abusos sexuais na Igreja. Mas acredita que a cultura do sigilo decorrente da necessidade de ocultar a homossexualidade protege os abusadores.

“Se você é um bispo e protege a um sacerdote, por que faz isso?”, pergunta-se. “Acho que, numa ampla maioria dos casos, os bispos que protegem os abusadores protegem a si mesmos. Têm medo. Acho que a grande maioria de bispos e cardeais que protegem a sacerdotes pedófilos é de homossexuais.”

Angelo Sodano, que foi núncio apostólico no Chile durante os anos de Pinochet e secretário de Estado no pontificado de João Paulo II, aparece como um dos vilões do livro — por causa de seus supostos arranjos com o regime pinochetista, e também pelo caso do sacerdote chileno Fernando Karadima, a quem Francisco expulsou do sacerdócio em setembro.

“Parece-me claro que Sodano, de acordo com todos os depoimentos, das vítimas e dos advogados das vítimas, não teria participado dos abusos sexuais de Karadima. Por outro lado, parece impossível que não estivesse a par dos abusos.”

E se Sodano é o vilão dessa Sodoma (o título original do livro), o herói é Francisco. “Por trás da rigidez, sempre há algo escondido; em numerosos casos, uma vida dupla”, disse o Papa em outubro de 2016. “O Papa”, argumenta o livro, “deixa acuados certos cardeais conservadores ou tradicionais que rejeitam suas reformas fazendo-lhes saber que conhece sua vida oculta”.

O “quem sou eu para julgar?” que Francisco pronunciou em julho de 2013 ecoa por todo o livro. Martel lhe enviou um exemplar.

ESPECIALISTA NO MOVIMENTO HOMOSSEXUAL
Frédéric Martel (Châteaurenard, França, 1967) não é um vaticanista, e sim especialista no movimento homossexual e autor de dois livros de referência, Le Rose et Le Noir ("O rosa e o negro", um retrato dos homossexuais na França desde 1968), e Global Gay, sobre a globalização da questão homossexual. Seu novo livro, No Armário do Vaticano (Sodoma, no título original), uma mistura de reportagem jornalística e ensaio cultural, não se apresenta tanto como uma investigação sobre uma comunidade religiosa, e sim sobre uma comunidade gay, uma das "mais numerosas do mundo". E escreve: "Duvido de que haja tantos [homossexuais] mesmo em Castro, em San Francisco, esse bairro gay emblemático, hoje mais misto".


sábado, 7 de março de 2020

A "FACE OCULTA" DA IGREJA - José Nilton Mariano Saraiva


Best-seller do New York Times, “No Armário do Vaticano”
(Editora Objetiva, 2019, 499 páginas) foi lançado
simultaneamente em vinte países. Trata-se do relato sobre 
a corrupção e a hipocrisia no coração do Vaticano. “POR 
TRÁS DA RIGIDEZ HÁ SEMPRE QUALQUER COISA 
ESCONDIDA; EM NUMEROSOS CASOS, UMA VIDA DUPLA”. Ao
 pronunciar estas palavras, o papa Francisco tornou
 público um segredo que esta investigação vertiginosa
 explora, pela primeira vez, com grande profundidade. Com
 detalhes escabrosos, imorais e até então inimagináveis,
 “No Armário do Vaticano” expõe a decadência no coração
 do Vaticano e na Igreja Católica atual. Um trabalho
 brilhante baseado em quatro anos de pesquisas rigorosas,
 que inclui entrevistas com dezenas de cardeais e
 encontros com centenas de bispos e padres. O celibato dos
 padres, a condenação do uso de contraceptivos, os
 inúmeros casos de abuso sexual, a renúncia do papa Bento 
XVI, a misoginia entre os clérigos, a trama contra o papa
 Francisco — todos esses temas estão envoltos em mistério.
 Este livro revela a face oculta da Igreja, uma instituição
 fundada em uma cultura clerical de sigilo e baseada na
 vida dupla de padres e numa extrema homofobia. A
 esquizofrenia resultante na Igreja é difícil de entender:
 quanto mais um prelado é homofóbico, mais é provável
 que ele seja gay. É um livro revelador e inquietante”
(sinopse).


***************************
Fato é que, “No Armário do Vaticano” é um relato
 impressionante sobre os abusos de toda ordem, a luxúria
, a hipocrisia, a falsidade, o jogo sujo e a homossexualidade
desbragada reinante entre os cardeais do Vaticano
 (inclusive “papas”). Por isso, imperdível.


No relato, apesar da corajosa declinação de nomes de
 dezenas e dezenas de padres, bispos, cardeais e até papas
 homossexuais, dois religiosos se sobressaem devido à
 agressividade e desassombro com que atuam no interior
 do próprio Vaticano: Alfonso López Trujillo (colombiano) e
 o mexicano Marcial Maciel (conservadores, racistas
, integrantes da extrema direita, eram abertamente a favor
 do grande capital e da exploração dos pobres).


Íntimos e próximos dos papas Paulo VI, e João Paulo II
, citados personagens, aparentemente homofóbicos, mas na
 realidade homossexuais atuantes e conhecidos na noite de
 Roma (ambos tinham amantes), ainda assim exerciam um
 certo poder ante os dois papas nominados, influindo em
 algumas das suas decisões.


Enfim, vale a pena (e muito) se debruçar sobre as 499 
páginas do “No Armário do Vaticano”, até porque nos
 permitirá conjecturar sobre a vida pregressa de certos
 “candidatos a santo” do Nordeste do Brasil, cujos métodos
 de ficar rico sem ter fonte de renda em muito se
 assemelham aos métodos usados pela dupla citada (López
 Trujillo e Marcial Maciel, tidos como “demoníacos”).


E muito importante para tal mister seria que algum
 historiador com “H” maiúsculo se dispusesse a pesquisar
 num primeiro momento, com seriedade e longe dos
 holofotes, uma figura que a própria Igreja Católica, num
 passado não tão distante, alcunhou como “charlatão”, face
 o cometimento da farsa grotesca que ficou conhecida como
 o “milagre da hóstia” (milagre esse que se repetiu 83 vezes
 ao longo de dois anos seguidos, com anunciação prévia do
 dia e hora).


Um raio pode cair duas vezes num mesmo lugar ???





quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

UMA OBRA INSÓLITA - José Nilton Mariano Saraiva



Contundente. 


É o adjetivo preciso e definitivo para rotular e exprimir a obra de fôlego “No Armário do Vaticano” (de Frédéric Martel, 499 páginas) repleta de pormenores íntimos, assustadores e escabrosos, sobre o que se esconde por trás das até então indevassáveis muralhas do Vaticano.

Você sabe, por exemplo, por qual razão o austero alemão cardeal Joseph Aloisius Ratzinger, depois de muito lutar para ser ungido ao trono papal (então, por votação secreta passou a chamar-se Bento XVI), resolveu “se mandar”, sem mais nem menos, numa atitude insólita, até hoje questionada por gregos e troianos ??? 

Ou, por qual motivo o também cardeal, argentino Jorge Mário Bergoglio (que o sucedeu como Papa Francisco) tem literalmente comido “o pão que o diabo amassou” em razão de ter que enfrentar diuturnamente (dentro do Vaticano) um verdadeiro exército de gays e homofóbicos que não aceitam a “abertura” por ele defendida ??? 

Rotulado como... “uma investigação devastadora sobre a corrupção no clero” ou ainda como... “uma teoria chocante sobre o Vaticano, a maior comunidade gay do mundo”, fato é que “No Armário do Vaticano” é acima de tudo uma obra corajosa, já que o autor desassombradamente “dá nome aos bois” (monsignores, padres, cardeais e por aí vai). E  como há bois...

Alfim, e pra complementar, um breve resumo da própria editora.


  • No Armário do Vaticano - Poder, Hipocrisia e Homossexualidade

  • Best-seller do New York Times. Lançado simultaneamente em vinte países. Um relato sobre a corrupção e a hipocrisia no coração do Vaticano.

“POR TRÁS DA RIGIDEZ HÁ SEMPRE QUALQUER COISA ESCONDIDA: EM NUMEROSOS CASOS, UMA VIDA DUPLA.” Ao pronunciar estas palavras, o papa Francisco tornou público um segredo que esta investigação vertiginosa explora, pela primeira vez, com grande detalhe.

NO ARMÁRIO DO VATICANO EXPÕE A DECADÊNCIA NO CORAÇÃO DO VATICANO E NA IGREJA CATÓLICA ATUAL. Um trabalho brilhante baseado em quatro anos de pesquisas rigorosas, que inclui entrevistas com dezenas de cardeais e encontros com centenas de bispos e padres.

O celibato dos padres, a condenação do uso de contraceptivos, os inúmeros casos de abuso sexual, a renúncia do papa Bento XVI, a misoginia entre os clérigos, a trama contra o papa Francisco — todos esses temas estão envoltos em mistério.

Este livro revela a face escondida da Igreja, uma instituição fundada em uma cultura clerical de sigilo e baseada na vida dupla de padres e numa extrema homofobia. A esquizofrenia resultante na Igreja é difícil de entender: quanto mais um prelado é homofóbico, mais é provável que ele seja gay.

É um livro revelador e inquietante.