TRIPULANTES DESTA MESMA NAVE

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Natureza natural.

Meus caros,

Um poema de Mario Quintana, em determinado verso, pede: deixem a Natureza ser natural.
E quase ninguém ouve o Poeta, que só sabe fazer "versinhos"... Mas eu digo: ouçam o Poeta!!
dêem ouvidos aos seus versinhos... neles estão contidos verdades incontáveis...
O Rio grangeiro, que hoje é conhecido como "canal", já foi um rio magnífico e piscoso, onde as famílias iam se divertir...
Acontece que, com o "progresso", o aumento da população e do esgoto lançado em suas águas, o rio se tranformou no "canal", no esgoto da cidade. Mas isso não acontece somente no Crato. Todas as cidades do Brasil transformam seus rios em esgotos (posso afirmar que todas as cidades que conheço do Brasil, fazem isso). Esgoto não tratado, o que é muito pior...
E mais, costumam "canalizar", isto é, impermeabilizar o fundo desses rios, para que sejam canais de escoamento mais "eficientes". No Crato, nosso querido Cratinho de açucar, ainda eliminaram algumas curvas do rio.
Mas o que sempre acontece é que as águas das chuvas caem, aumentam a vazão dos rios (canais) e a velocidade das àguas aumenta, e o resultado é o que vemos: a pavimentação é arrancada, a erosão volta e as curvas do rio aí estão novamente...
Não sou engenheiro, apenas observo com meus olhinhos de poeta, e faço meus versinhos...
Mas nem é preciso ser engenheiro...
é preciso ser poeta...
Deixem a Natureza ser natural,
antes que Ela nos exclua de sua natureza...

4 comentários:

Marta F. disse...

rsrsrs...deixai ser os poetas, não se sabe mesmo o que são, estais certo caríssimo.venho aqui respirar, encher minhas letras de ar...
Abrs.

LUIZ CARLOS SALATIEL disse...

Hoje, no meu programa de rádio Cariri Encantado, que dedicarei ao Rio Grangeiro, fareia a leitura da sua postagem.
Grande abraço.

Nicodemos disse...

Valeu Luiz Carlos!!!
É uma declaração de amor
a Natureza!!
grande abraço!!

Nicodemos disse...

Ah! Marta
é preciso
Amar a Natureza
há Marte
há Vênus e Plutão
mas nessa vida é
aqui no
Azul da Terra
que somos
e sonhamos...

sejamos!