TRIPULANTES DESTA MESMA NAVE

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Reforma Agrária para democratizar a renda dos brasileiros - José do Vale Pinheiro Feitosa

Nesta semana o blog Cariricaturas publicou um bem escrito texto de Mailson da Nóbrega derrubando a tese da redistribuição de terra, via Reforma Agrária. A redistribuição de terra tem por base dois resultados: ampliar a capacidade de mais famílias auferir renda na estrutura de distribuição da renda nacional e, claro, o da produção agropecuária.

O ex-ministro Mailson é como Antonio Palocci, um CONSULTOR. Escreve e dar pareceres à base de bem remunerada renda e sempre como porta voz de terceiros. Não existe a convicção interior, ela se sujeita ao interesse do outro. Assim como um pistoleiro que atira contra o inimigo de quem lhe pagou.

Acontece que numa sociedade democrática, efetivamente democrática, o primeiro resultado da Reforma Agrária é irrefutável: democratizar a renda. Só por isso vale uma defesa e uma história. Não adianta esgrimir com Mailson nestes termos, pois se ele não o trouxe, e como bom intelectual sabe disto, desejou esquecer de propósito. Não refutá-lo é uma homenagem a quem defende a Reforma Agrária.

Agora quanto ao outro. O da produtividade. Se vamos destruir a pequena propriedade, se vamos destruir as florestas para os grandes negócios (eis o motivo do artigo do Mailson na emergência da discussão do novo Código Florestal) ou se vamos calar a voz do MST, é preciso que se sustente e bem sustentado o contraditório de quem quer tudo isso.

Isso é uma pedra no sapato do Consultor Mailson, pois mais uma vez leva à suspeição de má fé do parte dele. Quem quer que escreva sobre o assunto não pode denegar, esquecer, omitir os dados da FAO sobre o Agronegócio brasileiro. E estes não são bons argumentos para o contraditório pretendido.

Usando dados estratégicos do agronegócio: produtividade do arroz, milho e soja. Trigo nem falar, dada a insignificância até para abastecer o mercado interno. A produtividade média do arroz brasileiro é de 4.365 Kg/Ha, deixando o país em 37ª posição no ranking mundial, atrás de países como El Salvador, Peru, Somália, Ruanda, etc. A do milho é de 3.7148 Kg/Ha nos deixando em 64ª posição mundial. A soja, que é hoje o carro-chefe do agronegócio exportador brasileiro, a produtividade média, de 2.636 Kg/Ha, coloca o país na 9ª posição no ranking mundial.

E isso é verdade para os indicadores da média de todos os cereais produzidos no país, além e, pasmem, da própria carne bovina.

O que queremos dizer é que existem muitas causas para esta questão, inclusive um produtor mal orientado e fatores de investimento, especialmente em novas técnicas agrícolas. Para isso é preciso que a estrutura de ciência e tecnologia se aplique em resolver problemas, já pensando no futuro próximo.

Não estamos apontando o dedo contra o agronegócio, apenas dizendo que o consultor Mailson da Nóbrega cria um contraditório a serviço de alguém e numa área em que é preciso democratizar a terra e a renda, até por que a terra é dos brasileiros e não dos conglomerados de capitais internacionais. Todos sabemos da avidez estrangeiras por terra onde existem disponíveis como no Brasil.

Mailson da Nóbrega, não obstante a defesa de escrever para ganhar a vida, é um velho integrista do futuro dos brasileiros. Um estilo antigo de carrear as oportunidades dos nacionais.

Um comentário:

Darlan Reis Jr. disse...

Muito bem dito. Só mesmo um "consultor", ex-ministro, entusiasta do neoliberalismo para querer se contrapor à reforma agrária utilizando os "argumentos" do mercado.