TRIPULANTES DESTA MESMA NAVE

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Lá no meu pé de serra - José do Vale Pinheiro Feitosa

video
Zé, Luiz, Santana, Socorro, Zabelê, Biô, Pinga, Fila, onde é que nossas substâncias estão e para onde elas vão? Sempre estou contando as sementes das vagens a perguntar se estas substâncias são o ovo do chão ou a fecunda obra das nossas imaginações.

E sei que a semente é algo tão evidente que esta dúvida não deveria existir. Mas é que somos flor do tempo. Brotamos e murchamos. E tudo que é divino, porque assim entendemos, logo pensamos seja todo o universo, que se alue o tempo todo, mas nunca deixa de abraçar além do tempo.

Meu constitutivo essencial. Sabe gente. Estas questões ilusórias, crentes ou radicais, agradam por mover emoções, orações e sentenças. Mas fica sempre aquele grão inexplicável e onde estão nossas substâncias e para onde elas vão?

Bom, vamos fazer um exercício qualquer. Jamais do nosso peito uma canção falando da morada no alto da serra. Lá no topo do mundo como os serranos se acham. Nós não!  


Nós somos é pé de serra. Só vamos ao topo para apanhar piqui, descascar abacaxi e beber um suco de maracujá peroba.  

Nenhum comentário: