TRIPULANTES DESTA MESMA NAVE

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Beco das Garrafas, em Copacabana, Bottles Bar, a partir das 20 horas até a meia noite, domingo 25 de janeiro de 2015. Primeiro esqueça as facilidades da modernidade: nada de comprar ingressos na internet, sem assentos marcados, os primeiros quarenta têm cadeiras e mesas e outro tanto fica em pé, pelo bar ou ao fundo do pequeno salão.

Um pequeno palco com uma grande foto emoldura de Durval Ferreira posando com o violão à frene. Para sentarmo-nos chegamos ao beco por volta das 18 horas. Com isso fomos os primeiros da fila. Nos dão comandas numeradas e ficamos andando ali pela Atlântica enquanto a hora chegasse.

Abriu a porta da boate, entramos, e ficamos os seis (o tanto do nosso grupo) bem colados ao pequeno palco. Assim como ficássemos nas cadeiras juntos a grupos de amigos que resolvem fazer uma noitada de música. A distância entre nós e o palco era o suficiente para a passagem do garçom. A prestação do serviço é sofrível. Os preços não são exploradores.

Agora vem o lado especial. Não é um show, com produção especial, talvez como Miele e Bôscoli fizeram no passado. Mas diante de tantos espetáculos de luz, som e efeitos especiais que tornam os ouvintes em alvo passivo ou controlado pelos do palco, é um alívio ser parte do show. Está ali como sentados na sala de casa com todos eles.

E tem mais. É uma noite de artistas. Tantos foram os que passaram pelo palco. Com os instrumentos trocando de mãos, uma nata de jovens músicos na percussão, no teclado, no baixo, ao violão, no trompete, até na flauta transversa. E nesses momentos eles não apenas querem se mostrar para o público, como desejam um diálogo artístico com seus pares. Um diálogo de arranjos, improvisos, de tocar no perfeito modo intimista e o outro compreender e responder perfeitamente.

Paulinho Trompete, que fez parte de vários grupos (Ed Lincoln, Lafayette, Som 7 etc.), tocou em clubes pelo mundo (Olympia de Paris, Carnegie Hall) e atuou com muitas estrelas da música instrumental (Dizzy Gillespie, Ray Charles, Chet Baker etc.) entrou no palco e arrasou.

video

Lá pelas tantas a Amanda, filha do Durval Ferreira canta algumas canções e chama o Billynho (filho do Billy Blanco) ao palco. Ele canta algumas canções, inclusive de recordações de sua infância nos EUA. Lá pelas tantas ele conta que uma vez Dolores Duran chegou para o Billy Blanco e contou que todas as noites ela tinha um fã que ia onde ela estivesse no Beco, mas tinha um detalhe, ele não a cumprimentava e sentava-se de costas para ela. Ela pensava que fosse por ela ser mulata. Disse que ele ficava até terminar a performance dela, pedia uma comida para viagem, quando a quentinha estava embrulhada sobre a mesa, ele saia, deixando o embrulho para trás. Com pouco o motorista dele vinha, pegava o embrulho e ia embora.  

E Billynho cantou esta "A Banca do Distinto", composição de Billy Blanco, uma resposta ao “nobre” que não dá mão a pobre.

video

Durante o show, a noite virou, e Leny Andrade comemorou seu aniversário. Leny o tempo todo intervia, falava, contava histórias, brincava com o João Donato, como o Paulinho Trompete. Todo aquele pessoal efetivamente atinge um êxtase com a música.

Leny vem ao palco, domina a casa e canta várias músicas. Quando cantava “Até Quem Sabe
” ela chamou João Donato ao palco que passou a acompanha-la no teclado. É que você verá abaixo, com um som sofrível, pois gravado por um celular.

video



Saímos felizes, mais de meia noite pelas ruas de Copacabana. Terminamos o programa comendo um sanduíche no Cervantes, na Prado Júnior. Aí, de volta para casa, com o domínio da vida. 

Nenhum comentário: